Início Natureza Polícia Ambiental debate sobre o controle populacional do javali em SC

Polícia Ambiental debate sobre o controle populacional do javali em SC

486
0
COMPARTILHAR

javali

Ponte Alta – SC – Os debates e discussões buscando soluções legais sobre o controle populacional do Javali na região da Serra Catarinense têm sido intensificados. A Polícia Ambiental, por meio do Grupo de Educação Ambiental tem orientado moradores da região para tentar controlar a espécie.

Em Ponte Alta o encontro ocorreu no Clube de Caça e Tiro. Moradores e sócios do clube estiveram presentes. Os policiais falaram sobre o histórico de entrada dos animais no país, comportamento, alimentação e reprodução da espécie. Na oportunidade foram abordadas as questões relacionadas ao impacto econômico, ambiental e de saúde pública relacionados a invasão da espécie no Estado.

A Polícia Ambiental vê o Javali como um problema muito grave e afirma que a solução é buscar alternativas legais para combater a espécie. “Estamos orientando a população de como realizar o abate. Temos uma preocupação muito grande com a reprodução incontrolada dessa espécie, por isso estamos intensificando nossos encontros, nos aproximando ainda mais dos produtores rurais”, explica o major da 4° Cia de Polícia Ambiental de Lages, Frederick Rambusch.

De acordo com a Polícia Ambiental, somente em 2015 já foram expedidas 225 permissões para o abate do Javali. O major explica que o processo de obtenção da permissão é bastante simples, tanto que somente numa das propriedades cadastradas já existem 21 pessoas autorizadas a realizar o abate do javali, de maneira qualificada e em conformidade com as normas vigentes.

Sobre o abate do javali

Desde 2010, existe a portaria estadual 004, que permite a caça de javali. Mas, para a caça ser permitida é preciso autorização para transportar a arma, que deve estar registrada.

Quem tiver interesse em abater o animal, que destrói lavouras com sua força, é preciso levar a documentação na Polícia Ambiental com o pedido de abate, descrevendo o local e o nome de um atirador profissional para fazer o serviço. Depois de a polícia permitir o abate, a pessoa precisa levar o documento para a Polícia Federal ou para o Exército. Somente associados a clubes de caça e tiro levam a documentação para o Exército.

Os dois órgãos examinarão a legalidade da arma. Se tudo tiver certo é emitida a guia de transporte definindo o dia e local que a arma pode transitar legalmente. Depois disso, o abate pode ser feito. A Polícia Militar Ambiental ressalta que a carne de javali não pode ser vendida por ser espécie exótica e nem consumida, por se tratar de carne de porco e ter possibilidade de causar risco à saúde humana.

Fotos: PMA/Lages

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here