Início Biodiversidade A genética populacional do tamanduá-bandeira no Estado de SP

A genética populacional do tamanduá-bandeira no Estado de SP

2529
0
COMPARTILHAR

Giant Anteater Searching for Termites

Espécie é considerada internacional e nacionalmente como vulnerável

 

Rullian Cesar Ribeiro apresentou na Unesp de Jaboticabal dissertação de mestrado intitulada  “Genética populacional de Myrmecophaga tridactyla (Pilosa, Myrmecophagidae) no estado de São Paulo utilizando o gene mitocondrial CytB”. A pesquisa foi realizada no Programa de Pós-Graduação em Genética.

 

Resumo

O tamanduá bandeira (Myrmecophaga tridactyla) é uma espécie pertencente a Magma Ordem Xenarthra, a qual possui uma ampla distribuição ao longo da região Neotropical. Esta espécie é encontrada em todos os biomas brasileiros, no entanto, ela está classificada a nível mundial, nacional e estadual, no estado de São Paulo, pela IUCN como vulnerável. Esta classificação é relacionada diretamente com a forte pressão antrópica que acomete o animal e seu habitat, como é o caso do cerrado.

 

Este trabalho teve por objetivo verificar a diversidade genética, utilizando o marcador mitocondrial CytB, de uma amostra da população de tamanduá-bandeira pertencente a região do estado de São Paulo. As amostras de material biológico utilizadas no estudo provém de campanhas de capturas (n = 8) realizadas na Estação Ecológica de Santa Bárbara (EESB), e de parcerias estabelecidas com o Hospital Veterinário “Governador Laudo Natel”, FCAV- UNESP, Câmpus de Jaboticabal (n = 11), o Hospital Veterinário ”Dr. Halim Atique’, Centro Universitário de Rio Preto, UNIRP, São José do Rio Preto, SP (n = 12), e o Laboratório de Ecologia de Mamíferos (LEMA), FCAV- UNESP, Câmpus de Jaboticabal, SP (n = 1).

 

Após os processos de extração, amplificação e sequenciamento do DNA foram inferidas análises estatísticas pertinente a genética populacional. Dentre as 34 amostras analisadas foram encontradas apenas três haplótipos, dos quais um é exclusivo da EESB.

 

A distância genética encontrada entre as amostras foi praticamente nula, variando entre 0,000 e 0,002, enquanto, o gráfico de distribuição par-a-par apresentou uma curva do tipo unimodal, indicando que a população possivelmente vem de um evento de expansão recente. Os índices de diversidade genética foram muito baixos indicando que os indivíduos analisados são praticamente idênticos pela perspectiva da genética de populações, e o teste de AMOVA mostrou que não há estruturação nesta população.

 

Foi possível observar que a baixa diversidade genética associada as características biológicas do animal, juntamente com as ações antrópicas de degradação de habitat, fazem com que a espécie estudada permaneça nas listas de animais ameaçados.

 

Contudo, a EESB serve como um reduto genético para a espécie no estado, sendo sua conservação de extrema importância para a fauna do cerrado e para o entendimento de como as populações das unidades de conservação estão sofrendo com a fragmentação de habitat e outras adversidades causadas pela intervenção humana.

 

Comissão Examinadora

Prof.(a). Adriana C. M. C. e Castro – Orientadora (Unesp/Jaboticabal)

Prof.(a). Lilian Castiglioni (Famerp)

Prof.(a). Danisio Prado Munari (Unesp/Jaboticabal)

 

Assessoria de Comunicação e Imprensa

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here