Início Natureza WWF-Brasil confirma situação de emergência no Pantanal

WWF-Brasil confirma situação de emergência no Pantanal

40
0
COMPARTILHAR
ALTAMIRA, PARÁ, BRAZIL: Aerial image of burning in Altamira, state of Pará. (Photo: Victor Moriyama/Greenpeace), Amazon Burning ALTAMIRA, PARÁ, BRASIL: Imagem aérea de queimadas na cidade de Altamira, Estado do Pará. (Foto: Victor Moriyama / Greenpeace)

Focos de incêndio quase quadruplicaram em agosto, na comparação com 2018  (Foto: Victor Moriyama / Greenpeace)

A equipe do WWF-Brasil no Pantanal confirma a situação de emergência nesse bioma, onde os incêndios já consumiram mais de um milhão de hectares, segundo estimativa do IBAMA. Até agosto, o INPE registrou 647.200 hectares queimados – mais que o dobro registrado em todo o ano de 2018: 309.400 hectares. Os focos de queimadas quase quadruplicaram em agosto, na comparação com 2018.

Como historicamente setembro é o pico dos incêndios no Pantanal, que sempre se intensificam na estação seca, a tendência é que esses números se agravem. Há indícios de que quase a totalidade dos focos (90%) são criminosos.

Até agora já foram detectados 3.679 focos no Pantanal: 1.690 em agosto, 1.495 nos primeiros 13 dias de setembro e 494 nos outros meses.

Esses números representam um aumento de 370% em agosto deste ano, na comparação com 2018. Se considerarmos julho de 2019 até a primeira semana de setembro, o número de focos cresceu 194%. Isso torna 2019 no segundo ano com mais focos de calor na região na última década. Os dados mostram ainda uma concentração dos focos na região de Corumbá, próxima à tríplice fronteira.

“No curto prazo é necessário investir em ações emergenciais. O manejo do fogo é parte da cultura da região, más é essencial apresentar alternativas aos que o promovem”, explica Cássio Bernardino, analista de Conservação do WWF-Brasil. “É necessário investir em três ações básicas e estruturantes como formação de brigadas comunitárias, cursos de capacitação de manejo adequado do fogo e aplicação das leis para que o fogo ocorra de acordo com técnica, seja licenciado pelos órgãos ambientais competentes, como manda a lei, e seja fiscalizado – por satélite ou estações automáticas”, completa Bernardino.

Figura 1 – Fogo se concentra nos meses de agosto a setembro – Estação seca.

Figura 2 – Série histórica – Focos de calor de 2009 a 2019 para os meses de pico de queimadas com dados disponíveis. Agosto de 2019 foi o segundo ano com mais focos de calor desde 2009.


Para mais informações, por favor entre em contato:

AViV Comunicação
Assessoria do WWF-Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here